Publicada em: 05/02/2018 10:43

Curso de medicina da UEA recebe acreditação do SAEME

O curso de Medicina da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) acaba de ser acreditado no processo de avaliação do Sistema de Acreditação de Escolas Médicas (SAEME), que acontece sob coordenação do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM). A outorga pelo Saeme significa o reconhecimento da qualidade do ensino em medicina ofertado pela UEA.

Para o reitor da Universidade, Cleinaldo Costa, que também é médico e professor do curso, o título de Escola Médica Acreditada é motivo de grande satisfação. ¿Isso significa o reconhecimento da comunidade médica, representado pelo CFM e pela ABEM, para a formação acadêmica do curso de Medicina da UEA. Recebemos com muita honra e prazer, tendo a certeza de que temos uma grande responsabilidade pela frente: continuar formando cada vez melhor os novos médicos para a população amazonense e brasileira, só que agora laureados com essa acreditação¿, comemorou.

A avaliação considera cinco áreas: dimensão e gestão educacional; programa educacional; corpo docente; corpo discente e ambiente educacional. O processo de acreditação levou em media o período de um semestre, considerando o preenchimento e a avaliação dos formulários na plataforma eletrônica, entrevistas e visitas in loco. O parecer final foi emitido por meio de um relatório comentado, no qual cada uma dessas áreas recebeu a classificação ¿suficiente¿ e ¿insuficiente¿ e um breve comentário sobre os mesmos itens.

De acordo com a avaliação do Saeme, a maior virtude da UEA está na responsabilidade social, sendo esta, modelo para outras instituições de ensino superior do país e do mundo. A política de interiorização da Universidade também somou pontos para a acreditação, com destaque para o sistema de telessaúde como ferramenta de ensino-aprendizagem e suporte aos profissionais em locais remotos do estado; laboratórios do Ocean Center e UNASUS como estímulo ao desenvolvimento de tecnologias a serviço da saúde; o internato rural como oportunidade de exercício da integração ensino-serviço, atrelado a alta tecnologia oriunda da Telesssaúde.

Para a pró-reitora de pesquisa e pós-graduação, Maria Paula Mourão, esses destaques na avaliação do Saeme só reforçam um dos principais compromissos da UEA, que é de transformar positivamente a realidade do Amazonas, por meio do ensino da saúde. ¿No caso dos cursos de saúde a UEA dispõe de 50% das suas vagas para alunos oriundos do interior do estado e faz com que esses egressos retornem aos seus municípios para prestar serviço obrigatório por um período de até um ano após a sua formação, garantindo a interiorização do ensino e o desenvolvimento da sua região¿, comentou.

SAEME

Para a criação do Saeme, foram estudados e trabalhados como fontes seis processos internacionais de avaliação do ensino médico: o Liaison Committee on Medical Education (LCME), que é utilizado no Canadá e nos Estados Unidos; o General Medical Council (GMC), em funcionamento na Grã-Bretanha; o Australian Medical Council (AMC); o ARCU-SUL, que faz a acreditação de cursos universitários do Mercosul; o Neederlands-Vlaamse Accreditation Organization (NVAO), em atividade na Holanda; e o Institution for Academic Degrees and University Evaluation (NIAD), reconhecido no Japão.

Texto: Felipe Nascimento

Fotos: Joelma Sanmelo